Blog do Roberto


E O SANTA PERDEU...

 

Todo castigo pra quem bota Renatinho na reserva?

 

É pouco...



Escrito por Roberto Vieira às 21h00
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




TORNEIO PHILIP MARLOWE

 

 

Qual o match?

 

Quem está passando mal?



Escrito por Roberto Vieira às 16h32
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




TORNEIO PHILIP MARLOWE

 

 

Quem somos nós?



Escrito por Roberto Vieira às 16h03
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O CLÁSSICO MUDOU DE NOME

 

Checando o passado.

 

Pensando em Rogério.

 

Acho que o Clássico da Técnica e Discilplina está mudando de nome...

 

 



Escrito por Roberto Vieira às 12h14
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




COLUNA DO LUCÍDIO - O SONHO ACABOU

 

Por LUCÍDIO JOSÉ DE OLIVEIRA, MDM

 

 

Revolta. Desânimo. Por que o futebol desde menino para fazer o tempo passar? Poderia ter sido diferente. Poderia ter nascido em outro país. Em terra mais civilizada. Mas teria perdido Orlando, ídolo da infância, Ivson, Bita, Zizinho, Heleno, Pagão, Pelé, Falcão, Sócrates, Cláudio e Luizinho em show memorável na Ilha do Retiro no tempo do sonho. Salomão e Ivan. Rinaldo. Nado. Jorge Mendonça e Juca Show. O futebol me deu muitas alegrias. Agora, no entardecer, está melancólico. Resta Messi, Xavi e Iniesta distantes. Um outro mundo. Distante, realmente distante. Hipocrisia, sujeira, tristeza. Como aceitar coisas do futebol, jogo para homens, cenas deploráveis que ameaçam a carreira de um jovem, o sonho decepado ao nascer, nati-morto? Balela. Hipocrisia. "O Maneco foi na bola..." Não houve intenção de atingir Rogério". "Apenas força excessiva, Maneco foi imprudente..." Como desconhecer que o carrinho, qualquer carrinho, de frente, de lado, por trás, põe em risco a integridade física do adversário, um companheiro de profissão? Foi banido pela Fifa. Já existe o consenso: é uma ato criminoso. Inaceitável em qualquer circunstância. Imperdoável. Palavra do árbitro: "Peço desculpa a Rogério. O culpado foi Maneco..." E ele não está ali para julgar e punir? Lembro a charge de Ziraldo, a lâmina da espada atravessando o peito: "Só doe quando eu rio..." Muita gente acredita piamente que tocando primeiro na bola, tudo é permitido. Torcedores, locutores, analistas e até jogadores e árbitros. Uma calamidade! Então, primeiro a bola, depois pode quebrar. Primeiro a bola, o salvo-conduto. O habeas-corpus preventivo. Como um árbitro credenciado pode pensar assim? E quem lhe credenciou, o que pensa? Todos irresponsáveis, na verdade responsáveis pelos seis a oito meses sem Rogério, pelos meses de Rogério sem a bola, sem o gol. Revolta. Desânimo. O campeonato, qualquer que seja o seu final, não tem mais graça. O futebol perdeu a sua pureza. Nós, torcedores alvirrubros, perdemos uma das alegrias de cada rodada: o drible de Rogério − a pequena fagulha iluminando a jogada que pode terminar em gol.

 



Escrito por Roberto Vieira às 11h58
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




DOUTOR, SERÁ QUE VOLTO A JOGAR?

 

Por ROBERTO VIEIRA

 

 

O caso Rogério entristeceu a todos.

 

Todos que amam o futebol.

 

Todos de qualquer religião.

 

Rogério é um menino pobre, carente,

 

sem estudos e com sonhos, muitos sonhos.

 

Como milhões de outros meninos nesse Brasil de prédios que caem.

 

Como milhões de outros meninos nesse Brasil de cracolandias,

 

cola de sapateiro e bola na rede.

 

Ligamento cruzado.

 

Rogério se pergunta na noite longa desta semana:

 

"O que será um ligamento?"

 

"O que será de mim?"

 

O futebol brasileiro é mais cruel que a vida.

 

Pois a vida do pobre que não faz gol é uma porcaria.

 

Mas a vida do pobre que faz gol é uma porcaria com sonho.

 

Uma porcaria com visto de saída para o paraíso.

 

A entrada violenta de Maneco mudou tudo isso.

 

Onde antes havia a certeza do gol,

 

habita agora a incerteza da cirurgia:

 

"Doutor, vou ficar bom?"

 

Os pobres meninos desse Brasil poderoso,

 

sexta potencia econômica do globo,

 

os pobres meninos não estão preparados para o ligamento cruzado.

 

Analfabetos funcionais.

 

Arrimos de família.

 

Navegantes do mar bravio.

 

Eles desconfiam do fim do mundo nas Tordesilhas.

 

Mas sempre acreditam que as Índias estarão lá.

 

Nos próximos meses, Rogério irá chorar muitas vezes.

 

Como Hélios, Alarcons, Mirandinhas e Jadílsons choraram no passado.

 

Como chorou Tostão.

 

Mas Tostão conhecia os ligamentos cruzados desse mundo.

 

Tostão conheceu as salas de aula.

 

A professora Lúcia.

 

Tostão disse adeus ao futebol.

 

Para dizer olá ao Doutor Eduardo.

 

Os Rogérios dessa vida não têm essa sorte.

 

Os Rogérios do nosso futebol podem apenas sussurar.

 

Desesperados.

 

"Doutor, será que volto a jogar?"



Escrito por Roberto Vieira às 18h05
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O CASO ROGÉRIO - 2. ALMIR X HÉLIO

 

 

Almir Albuquerque era o menino de ouro do Vasco.

 

Promessa tirada de Pernambuco na adolescencia.

 

Afilhado de Bellini.

 

Almir foi na onda da Cidade Maravilhosa.

 

E entrou pra rachar em Hélio do América-RJ.

 

Conclusão?

 

Hélio inutilizado para o futebol.

 

Almir ganha fama de marginal.

 

Fama que persegue sua carreira.

 

Exceto por um instante.

 

No Sulamericano de 1959.

 

Quando a garra de Almir contra os uruguaios.

 

Faz de Almir, ídolo nacional.

 

Porrada nos outros?

 

É resfresco.

 

 



Escrito por Roberto Vieira às 14h56
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




LOVE TEARS

 

 

Emoção ou empulhação?



Escrito por Roberto Vieira às 12h43
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




BLOTERIA Nº 5

 

O primeiro Clássico dos Clássicos vale muito...

 

 

1. Sport x Náutico

2. Sport x Náutico

3. Sport x Náutico

4. Araripina x Santa Cruz

5. América x Belo Jardim

6. Ypiranga x Porto

7. Central x Petrolina

8. Serra Talhada x Salgueiro (acabou o encanto do Serra...)



Escrito por Roberto Vieira às 07h38
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O CASO ROGÉRIO - 1. ALARCON X TOMIRES

 

 

A foto faz parte do acervo do MDM Valdir Appel.

 

Alarcon e a bolsa de gelo.

 

Alarcon quebrado por Tomires.

 

Na terceira partida da melhor de três do carioca de 1955.

 

Partida que ocorreu no dia 4 de bril de 1956:

 

Flamengo 4x1 América-RJ.

 

Tomires.

 

Velho conhecido dos recifenses.

 

Detalhe.

 

Quatro dias antes,

 

o Flamengo havia sido humilhado pelo América.

 

Um acachapante 5x1 no Maracanã.

 

 

 

 

A felicidade do meia paraguaio Alarcon.

 

Deixou Tomires possesso.

 

Nas tribunas do Mário Filho.

 

O presidente JK franzia a testa:

 

"Cuidado, América!

 

Cuidado com as chuteiras dessa vida..."

 

 

 

 

 



Escrito por Roberto Vieira às 00h05
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




MOZART E AUSCHWITZ

 

 

 

Poderia falar sobre Mozart.

 

Poderia.

 

Mas Mozart não foi feito para a palavra.

 

Mozart é música.

 

O ponta direita do trio imortal com Bach e Beethoven.

 

No dia 27 de janeiro de 1945,

 

tropas russas chegaram a Auschwitz.

 

Muitos soldados largaram suas armas em prantos.

 

Que a pátria de Mozart seja a  terra de Hitler.

 

É destes dilemas insolúveis da alma.

 

Mozart e Auschwitz.

 

O mesmo dia.

 

A trágica melodia da infernal comédia humana... 

 

Como pensar em Mozart, menino prodígio,

 

sem imaginar os meninos encarcerados em Auschwitz?

 

 

 



Escrito por Roberto Vieira às 22h43
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




A COLUNA DO MANUEL - DE VOLTA, PÁ!!!

 

Por MANUEL OLIVEIRA

 

 

 

 

Depois duma longa ausência, estou de volta com as crónicas do campeonato português. Campeonato muito equilibrado entre Benfica e FC Porto, os mais titulados do futebol português.

Vou começar por fazer um breve comentário sobre o 1º turno.

O campeão em título FC Porto, entrou nesta época com novo treinador (Vítor Pereira), o antigo adjunto de Villas-Boas que se transferiu para o Chelsea, enquanto o Benfica manteve pela 3ª época consecutiva o treinador Jorge Jesus, coisa que não acontecia há 18 anos. Por sua vez o Sporting contratou Domingos Paciência, ex-treinador do Sp. Braga, onde fez um excelente trabalho nas duas épocas em que lá esteve. O Sporting de Braga contratou para o lugar de Domingos, um técnico jovem chamado Leonardo Jardim que vem conseguindo manter a boa fase bracarense. Por falar de treinadores, esta época todos os clubes têm treinadores portugueses, o que vem demonstrar que são reconhecidos. Além destes 16 na Liga Portuguesa, ainda há José Mourinho (Real), Villas-Boas (Chelsea), Jesualdo Ferreira (Panatinaikos-Grécia), Carlos Carvalhal (Besiktas-Turquia), Jorge Costa (Cluj-Roménia) e muitos outros em diversos países como China, Vietname, Angola, Moçambique, etc.

O actual líder Benfica teve 3 empates (Gil Vicente, FC Porto e Sp. Braga), todos fora de casa, enquanto o FC Porto teve 4 (Feirense, Benfica, Olhanense e Sporting).

No passado fim de semana começou o 2º turno com a realização da 16ª rodada, cujos resultados foram os seguintes:

 

(20-01) - Académica 0-0 UD Leiria

(21-01) - Beira-Mar 1-2 Marítimo

(22-01) - Nacional 2-0 Feirense

(22-01) - P. Ferreira 2-1 V. Setúbal

(22-01) - SC Braga 2-1 Rio Ave

(22-01) - FC Porto 3-1 V. Guimarães

(22-01) - Benfica 3-1 Gil Vicente

(23-01) - Olhanense 0-0 Sporting

 

Os resultados podem ser considerados normais, mesmo o empate do Sporting em Olhão porque a equipa vem vacilando nas últimas rodadas.

Na frente da classificação tudo na mesma, Benfica continua 1º, agora com 42 pontos, seguido do FC Porto com 40, do Sp. Braga com 34, do Sporting e do Marítimo com 29 e do V. Guimarães com 20 pontos.

Na artilharia, o paraguaio Cardozo (Benfica) continua na liderança, agora com 12 gols, seguido de Baba (Marítimo) com 10, mas já transferido para o Sevilha na semana passada, por isso não entra mais nas contas para vencer o troféu.

 

Na próxima rodada (17ª) o Benfica e o Porto jogarão fora de casa, respectivamente contra Feirense e Gil Vicente. Existe a expectativa de algum, ou os dois, perderem pontos. 



Escrito por Roberto Vieira às 21h05
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




LENDAS ALVIRRUBRAS - 28. O VÔO DE NANCILDO - O ROGÉRIO DOS ANOS 60

 

 

Por ROBERTO VIEIRA

 

 

Dois minutos de jogo.

 

A bola vem rasteira.

 

O craque alvirrubro Nancildo vai na bola.

 

E no segundo seguinte voa pelos ares dos Aflitos.

 

Osvaldo deu um carrinho sem pé nem cabeça.

 

Nancildo sentiu a dor.

 

A mente do futuro engenheiro imaginou-se em órbita.

 

O árbitro Sebastião Rufino marcou falta.

 

Nnancildo foi atendido.

 

E com ruptura nos ligamentos da clavícula voltou ao jogo

 

- Beckembauer de Rosa e Silva.

 

Pois Nancildo era - e é - um bravo.

 

Mas ficou 60 dias no estaleiro.

 

Mercê da violencia dos adversários.

 

O técnico Gentil Cardoso botou as mãos na cabeça.

 

Vida que segue.

 

O Náutico perdeu o bicampeonato.

 

E o Sport Club do Recife sagrou-se campeão de 1961. 

 

Violencia de lado.

 

Teve até charge do cosmonauta alvirrubro...

 

Pensando nos dias de hoje.

 

Mestre Nancildo pertencia a classe média.

 

Tornou-se engenheiro.

 

Já o nosso Rogério deve estar pensando:

 

"O que será de mim sem o futebol?"

 

 

 

 

NOTA DO BLOG - Um dos depoentes do livro 'Reis do Futebol Pernambucano', Mestre Nancyldo Nepomuceno estará na mesa de debates do lançamento da obra dia 3 de fevereiro de 2012, na Fundação Joaquim Nabuco, Casa Forte.



Escrito por Roberto Vieira às 15h19
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




POBRE ROGÉRIO!

             Foto/Globo Esporte

 

 

Por ROBERTO VIEIRA

 

 

'O futebol é jogo pra homem'

 

Esporte bretão!

 

Mas a entrada de Maneco em Rogério não é entrada viril.

 

Não é exemplo de raça.

 

Não é nada mais que a mais rudimentar violencia.

 

Uma jogada na lateral do campo.

 

Um jovem com sonhos.

 

Com miséria no passado.

 

Com muita bola no pé.

 

Um jovem sendo levantado no ar por um carrinho inesperado.

 

Traiçoeiro.

 

Pré histórico.

 

Não.

 

Não estou escrevendo isso por ser alvirrubro.

 

Qualquer entrada deste nível merece repudio.

 

Porque ameaça a integridade física de um atleta.

 

Porque pode significar o fim do sonho.

 

Para quem tem apenas o futebol pra sonhar...

 

Futebol é jogo de homem.

 

Mas o lance em cima do pobre Rogério é outra coisa.

 

Muito diferente.

 

E os árbitros que não punem essas jogadas.

 

Poderiam pendurar seus apitos.

 

Ou então - adiantaria?

 

Serem obrigados a presenciar as lágrimas dos tantos Rogérios dessa vida.

 

Vítimas indefesas das chuteiras do tal esporte bretão...

 



Escrito por Roberto Vieira às 07h24
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




NÁUTICO 2X0 AMÉRICA - GELADEIRA PRA MERCANTE!!!!!!

 

 

Camisa e tradição fazem a diferença.

 

O sujeito pensa que não.

 

Então sofre, se aperreia.

 

O América quando enfrenta Sport, Náutico.

 

Joga com doze.

 

Os onze em campo.

 

E o espírito de Zetasso, Julinho, Leça, Barbosa.

 

Eles andam permabulando pelos campos.

 

Mas só brilham nos Clássicos.

 

(Vide o 4x2 de 2011)

 

Hoje?

 

A história se repetiu.

 

Agora.

 

A entrada do Maneco em Rogério é coisa de delegacia.

 

Pra sair de campo de camburão.

 

O gol de Marlon.

 

Marlon que pediu pra jogar?

 

O gol de Marlon foi dessas coisas históricas.

 

Pela comemoração com Rogério na maca.

 

O árbitro Cláudio Mercante.

 

Expulsa com facilidade quem reclama.

 

Mas violencia?

 

Ele tolera com um ar britanico.

 

Distante.

 

O ligamento medial?

 

Não é o dele... 

 

Mercante que merece nova temporada na Sibéria.

 

 

NOTA DO BLOG -

 

1. Siloé - que entrou bem - deveria ter comemorado seu gol com Eduardo Ramos

 

2. Gideão e América = 360 minutos sem saber o que é GOL

 

3. Souza e a bola hoje falaram línguas diferentes

 

4. Jefferson cresceu de produção

 

5. Náutico sem ataque no Clássico dos Clássicos

 

6. O Santa Cruz é a melhor equipe do campeonato



Escrito por Roberto Vieira às 23h29
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




CLASSIFICAÇÃO DA BLOTERIA... ENQUANTO O NÁUTICO EMPATA COM O AMÉRICA

 

Só uma coisa me intriga.

 

Porque Mestre Durval apostou em duas rodadas contra o Náutico.

 

Respostas ao Blog...

 

Enquanto isso?

 

Mestre Manoel Júlio dá show...

 

 

 

1. Manoel Júlio - 11


2. Geandre e J. Pires - 10


3. Glauber Vasconcelos, André Gustavo, Sérgio Oliveira, Sérgio Galvão, Newton Morais, Guilherme Pires Pai, Guilherme Dias e Guilherme Pires Filho - 9


4. Gustavo Oliveira, Danilo Otoni, Harold, Gilvannewton e Osvaldo Soares - 8 


5. Durval Valença, Antonio, Washington Vaz, Newton Pinheiro, Carlos Leite e Joaquim Herbenio - 7


6. Lucídio José de Oliveira e Rafael Alves - 6


7. Elvimario Araújo - 5


8. Robpe - 4


9. Luciano Paiva e Breno Lobo - 3


10. José Carréra - 2

 



Escrito por Roberto Vieira às 23h01
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




MA(O)U PERDEDOR

 

 

Barça e Real empataram

 

Mourinho?

 

Continua o mesmo...

 

Vai precisar de analista.

 



Escrito por Roberto Vieira às 22h25
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




AMÉRICA E O TABU DO TIMBU

 

Por ROBERTO VIEIRA*

 

Não foi a maior derrota da história alvirrubra. Em 1917, o Clube Náutico Capibaribe caiu por 10 a 0 diante da Associação Atlética Palmeiras em visita ao Recife. Mas os 10 a 1 do dia 28 de abril de 1918 permanecem gravados na memória estatística do nosso estado. Tanto que o jogo marca a despedida do arqueiro Nélson e do zagueiro-central Guilherme, ambos marcados pelo desastre.

O jogo histórico era estreia das duas equipes no certame de 1918. O América vivia a dúvida sobre a escalação de Bermudes, Peres e Alexis, craques que desembarcaram em Pernambuco no dia 5 de março daquele ano. Segundo regulamento vigente, no artigo 87, parágrafo único, só poderiam atuar no campeonato atletas residentes no estado há pelo menos dois meses. Contratados a peso de ouro no sul do país em tempos de amadorismo, os três jogadores caíram como luva na poderosa esquadra de Zé Tasso, deixando o tal regulamento sem validade.

O campo da Ponte D'Uchoa estava lotado. Presença feminina incomum naqueles tempos. O América jogara amistoso contra o Flamengo-PE, porém a equipe se ressentiu do entrosamento necessário para encher os olhos dos torcedores. Agora, o jogo valia dois pontos e o Náutico resistiu exatos oito minutos. Então, um tiro de trinta metros de Monteath entrou no ângulo do arqueiro Nélson. Foi a senha do massacre. Bermudes e Alexis mandavam no gramado, mas é Sigismundo quem dribla Barbosa Lima e finaliza para as redes aos 16 minutos: América 2 a 0.

Zé Tasso dá o ar de sua graça marcando o terceiro aos 21, Karl anotou o quarto aos 23 e Lopes fez placar de meia aos 30 minutos da primeira fase. Todos os jogadores do ataque deixando sua assinatura nas redes alvirrubras. Poderia ficar por isso mesmo, mas o segundo tempo traz o Náutico abatido e o América disposto a demonstrar que vinha para ser campeão. Em cinco minutos, Sigismundo, Zé Tasso e Monteath elevam o escore para 8 a 0. foi quando um free-kick alvirrubro é defendido por Alexis com a cabeça; a bola sobra para Ivan que consegue a proeza de marcar o gol de honra Timbu.

O resultado deixava o América empatado em número de gols com o Sport na liderança do campeonato. Sabendo disso, Zé Tasso e Soares marcam o nono e o décimo gol da partida. Nélson acaba o jogo realizando vinte e uma defesas milagrosas segundo os jornais da época.

Foi o maior revés da história alvirrubra em estaduais. Sinal dos tempos, em toda a partida o América cometeu sete faltas e o Náutico, duas. Jogo limpo, disputado na bola.

A goleada caminhava para ser triste recordação quando, na estreia do Náutico como dono do campo dos Aflitos, no dia 18 de agosto de 1918, alguém decide convidar o América para o tira-teima. A ideia foi péssima, o América venceu por 3 a 0 com absoluta tranquilidade, puxando até o freio de mão pra não exagerar na dose na festa do adversário.

Aliás, detalhe importante, desde o primeiro Clássico da Técnica e da Disciplina, como é chamado o encontro entre as duas equipes, disputado em 1916, o América só veio a conhecer derrota ante seu rival no distante 20 de setembro de 1925. Durante os nove anos que durou o tabu, o Náutico jogou treze partidas contra os esmeraldinos amargando doze derrotas e um mísero empate, comemorado como se fosse a conquista de um Hexacampeonato.

 

* Texto faz parte do livro 'América, o Campeão do Centenário' com lançamento previsto para 12 de abril de 2012, com prefácio do presidente João Antonio da Costa Moreira e introdução do nosso Mestre Washington Luiz Vaz. Larissa Riquelme? Isso é pergunta que se faça! 



Escrito por Roberto Vieira às 10h24
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




AND THE OSCAR GOES TO...

 

 

Nem o sogro acreditou...



Escrito por Roberto Vieira às 10h19
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




BLOTERIA Nº4

 

Rodada aquática...

 

1. Náutico x América

2. Santa Cruz x Ypiranga

3. Belo Jardim x Sport

4. Salgueiro x Central

5. Petrolina x Serra Talhada

6. Porto x Araripina



Escrito por Roberto Vieira às 16h27
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




ARQUIVO DO OTONI



Escrito por Roberto Vieira às 15h26
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




24 DE JANEIRO DE 2004 - 'EU SOU LEONIDAS!'*

 

Por ROBERTO VIEIRA

 

 

 


 

 

O quarto vive coberto de lembranças.

 

O craque nada lembra e tudo vê.

 

Câncer na próstata.

 

Diabetes.

 

Ah, a história do colar!

 

Pra que colar se eu sou um diamante negro?

 

A pneumonia na tarde de chuva.

 

 

 

 

Eles jamais me perdoaram.

 

Eles quem?

 

Bauer e Dorval conversam no velório.

 

Bonsucesso, Botafogo, Vasco, Peñarol.

 

Nenhum deles enviou flores.

 

Sequer um dirigente.

 

Apenas o São Paulo.

 

Abrindo seu Salão Nobre.

 

A derrota de 38 foi vitória.

 

Terrível é a imagem do técnico Ricardo Gomes.

 

Olimpíada de Atenas, adeus!

 

Robinho só não faz verão no Paraguai.

 

Besteira.

 

Leonidas nunca se preocupou com Jogos Olímpicos.

 

Poderia ter sido o Jesse Owens em 1936.

 

Caso o Brasil se importasse com Berlim e com o futebol.

 

Seria engraçado.

 

Gols de bicicleta nos bigodes do Fuhrer.

 

"Albertina!"

 

Pozzo surge na vastidão do quarto.

 

Quanto o governo brasileiro recebeu para poupar Leonidas?

 

Il Duce pessoalmente enviara o telegrama a Getúlio.

 

Piola e Meazza respiraram aliviados.

 

Niginho ficou uma fera.

 

Devaneios e pesadelos de um homem só.

 

Leonidas sente o cruzamento da eternidade.

 

Súbito.

 

O Homem Borracha se deixa levar pela morte.

 

Último e intransponível zagueiro dos campos da vida...

 

 

* Última frase proferida pelo craque em vida...



Escrito por Roberto Vieira às 00h50
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




POBRE BIÚ

 

 

Biú Cundiff está desempregado.

 

Os Ravens?

 

Fora do Superbowl.

 

 

Alguém se habilita?



Escrito por Roberto Vieira às 00h08
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




FINAL - SPORT 2 X 1 PETROLINA

 

Com gols de Marcelinho Paraíba e Jheimy.

 

O Sport consegue sua primeira vitória no estadual.

 

Thiaguinho expulso.

 

Apupos.

 

Mazola prestes a explicar a tática vitoriosa.

 

O gramado dos Aflitos?

 

Quarta-feira a gente confere.

 

No Clássico da Técnica e da Disciplina.



Escrito por Roberto Vieira às 23h33
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




A VIDA COMO ELA É

 

 

Por ROBERTO VIEIRA

 

 

Ok.

 

Depois do texto anterior?

 

A verdade dos fatos.

 

A vida como ela é.

 

A diretoria do Sport vetou o Arruda.

 

Por que?

 

Porque o público seria menor que os públicos do Santa Cruz.

 

A comparação ficaria clara e límpida.

 

Pouco interessando o fator climático.

 

A segunda-feira.

 

Foi o mesmo fator que impediu o jogo Sport x América de ser no Mundão.

 

O medo da comparação, bicho!

 

A FPF?

 

Optou pelo Náutico.

 

O Náutico?

 

Nada poderia fazer devido ao artigo 191,

 

inciso II do CBJD.

 

Não adianta torcedor chiando.

 

A FPF mandou.

 

Tem a Lei nas mãos.

 

Foi bom para o Sport.

 

Se ganhar os três pontos?

 

Foi ótimo.

 

Certo?

 

Errado?

 

Vida, política e futebol não tem nada disso.

 

Pois esta é a vida como ela é...

 

Manda quem pode.



Escrito por Roberto Vieira às 22h10
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




AMIGO É PRA ESSAS COISAS!

 

Por ROBERTO VIEIRA

 

 

 

O Sport Club do Recife é adversário do Clube Náutico Capibaribe.

 

Jamais, inimigo.

 

Devido a talibanização do futebol mundial.

 

Uma coisa ficou pela outra na cabeça das pessoas.

 

Pena.

 

Na Ilha do Retiro, o Náutico escreveu belas páginas de glória.

 

Especialmente em 1954.

 

Aflitos interditado em reforma.

 

A Ilha do Retiro de cara nova.

 

A maior praça de esportes do Nordeste.

 

O Náutico jogou todas as suas partidas na casa do adversário.

 

Até mesmo a melhor de três.

 

Ivson e Hamilton enlouquecendo a defesa leonina.

 

Não houve briga.

 

Houve apenas bola, gol e muita garra.

 

Como em tantos jogos da Taça Brasil nos anos 60.

 

A Ilha se tornando vermelha e branca.

 

Tempo que passa.

 

23 de janeiro de 20012.

 

Por força da chuva e da FPF.

 

O Náutico cede neste campeonato seu estádio para o Sport.

 

Gritaria.

 

Repulsa.

 

"Inimigos! Inimigos!"

 

Para o Sport?

 

Nada!

 

Assim pensa o torcedor em sua paixão.

 

Porém, quem carrega no coração a desportividade.

 

Os ideais que devem comandar os campos de futebol.

 

Não poderá negar um pedido do adversário.

 

O Náutico foi tolo?

 

A diretoria foi covarde?

 

Náutico e Sport são maiores que estas questões.

 

O gramado sagrado de Rosa e Silva não ficará menor com o jogo Sport x Petrolina.

 

Os Aflitos se tornam maiores ainda.

 

O Clube Náutico Capibaribe não precisa de inimigos.

 

E o passado de glórias é a melhor prova disso. 

 

O Sport Club do Recife é adversário do Clube Náutico Capibaribe.

 

Jamais, inimigo.

 

Devido a talibanização do futebol mundial.

 

Uma coisa ficou pela outra na cabeça das pessoas.

 

Pena.

 

Na Ilha do Retiro, o Náutico escreveu belas páginas de glória.

 

Especialmente em 1954.

 

Ivanildo, o Espingardinha.

 

Capitão, símbolo e orgulho do timaço dos anos 50 sabia disso.

 

Sejamos fiéis seguidores do grande Ivanildo.

 

Amigo?

 

É pra essas coisas!

 

 

 



Escrito por Roberto Vieira às 21h12
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




COM A PALAVRA, DR. SÉRGIO GALVÃO


Amigo Roberto, 



O artigo 191, inciso II do CBJD obriga o CNC a ceder o Estádio na data de hoje ao Sport, por ordem ou requerimento da Federação. 


Não tenho certeza sobre a atual vigência do artigo 200 do CBJD mas o artigo 191, II basta. 


Parece que o regulamento do PE 2012 também nos obrigaria, mas não tive acesso ao regulamento na data de hoje e de cabeça não me recordo. 


Não haveria como negar a cessão. 


Na minha opinião também não deveríamos negar o pedido de socorro deles, primeiro porque da casa deles já nos utilizamos, e muito, recentemente na série B inclusive, e muitas vezes na década de 80 quando nosso Estádio estava fechado. Poderemos um dia precisar novamente. Não é uma questão de se curvar à vontade da Federação ou de se apequenar diante deles, é somente uma questão de prudência e de boa vizinhança. Mais, até desportivamente seria burrice, pois se eles não jogassem hoje somente jogariam essa partida no 2o turno provavelmente, quando com certeza estarão bem mais organizados em campo. 


Parece-me ser uma injustiça tremenda utilizar esse episódio para atacar o atual Presidente do Clube, mas o que podemos fazer diante de uma oposição que, apesar de negar, não está pensando no bem estar do Clube em primeiro lugar, mas sim em como chegar à Presidência do Clube. Como se pode dizer que a Diretoria se apequenou nesse caso, que não tem programação de gestão, etc. Seremos inclusive remunerados e se houver danos à estrutura física do Estádio será reparado sem custo para o CNC. 


Diante das obrigações legais e morais que temos nesse caso acho uma tremenda tolice esse discurso. 


Bola pra frente. 



Escrito por Roberto Vieira às 20h56
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




AFLITOS CASA DO LEÃO

 

Como mandante faz barba e cabelo nos Aflitos.

 

O Sport de Mazola.

 

Deve iniciar sua marcha rumo ao título estadual logo mais.

 

Os Aflitos?

 

Hoje será rubro negro!

 

Como nos dias de Eli do Amparo...



Escrito por Roberto Vieira às 14h23
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




SHOPPING DA BOLA - CRIANÇAS

 

 

Estas duas crianças aparecem na sua Escolinha.

 

Você já sabe que serão baita craques.

 

Qual delas você contrata?

 

NOTA - Só pode contratar uma delas. A outra vai pro seu rival.



Escrito por Roberto Vieira às 00h08
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O SALVADOR DE DALÍ

 

 

23 de janeiro de 1989.

 

O bigode diz adeus.

 

Para a imensa maioria da humanidade,

 

lá se vai um louco.

 

Você enganava bem , Dalí!

 

Fingia tão bem que não te reconheceram um Picasso, um Gaudí.

 

Fingia tão bem que te esqueceram o Lorca.

 

Lembravam apenas teus dias franquistas.

 

Quem manda ser amigo do Caudilho,

 

desenhar caricaturas de aluguel.

 

E Buñuel?

 

A Espanha tinha mais gênios por metro quadrado que o resto do mundo.

 

Você?

 

Interpretando os sonhos de Freud.

 

Danem-se os Republicanos!

 

Você amava Lorca e chorou na sua morte.

 

Cristo.

 

Você pintando o Cristo.

 

 

 

 

 

Uma das mais belas pinturas do século XX.

 

Mas as pessoas gostam de caras, bocas e bigodes.

 

Discutem a sexualidade da Mona Lisa.

 

A altura de Lautrec.

 

A catarata de Monet.

 

E esquecem a arte por trás do pop.

 

A manchete do jornal?

 

Simplória.

 

Dalí não morreu.

 

Nenhum grande artista morre.

 

Parodiando Guimarães.

 

Um grande artista sempre nos encanta...

 

 

 



Escrito por Roberto Vieira às 23h31
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




CHOVEU ISSO TUDO?

 

 

Choveu no Recife?

 

Choveu em Paulista.

 

Choveu muito até em Aldeia.

 

Onde bati uma peladinha.

 

Mas o estado do gramado da Ilha.

 

Comparado com o estado do gramado do Ademir Cunha.

 

Revela que a drenagem rubro negra não anda lá essas coisas...

 

 

NOTA DO BLOG - Mestre Sérgio Oliveira levantou um ponto interessante: Esta foto da Ilha é montagem. Eis abaixo a foto verdadeira... se bem que a diferença não é lá essas coisas todas...

 

 




Escrito por Roberto Vieira às 19h52
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




DAQUI A POUCO NO ESPORTES NO 11

 

20 horas.            

 

 

Hora de conversar sobre bola.

 

E o lançamento do livro 'Reis do Futebol em Pernambuco'.

 

No programa Esportes no 11.

 

Sob o comando de Claudemir Gomes e Beto Lago.

 



Escrito por Roberto Vieira às 19h44
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




PRINCIPIA ALVIRRUBRA - A MELHOR CAMPANHA DESDE 2002

 

 

Por ROBERTO VIEIRA

 

 

Terminei a mamadeira e vim pro computador.

 

Algumas vezes os bebês demoram a arrotar.

 

Porém, voltando ao futebol.

 

Isaac não falou.

 

Mas o princípio é o princípio de tudo.

 

Neste século, o Náutico titubeou nas estreias.

 

Na sequencia inicial do campeonato.

 

Em 2001, perdeu a segunda partida em casa.

 

Em 2002, foi o grande ano.

 

Cinco vitórias seguidas na abertura do certame.

 

Em 2003, cipoada do Central no terceiro jogo.

 

2004?

 

Derrota e empate no começo.

 

2005?

 

Peiada do Serrano.

 

2006?

 

Derrotas para Salgueiro e Serrano - de novo.

 

2007 foi ano do Ypiranga.

 

2008 - karma - Serrano ganha da gente.

 

2009 foi melhorzinho.

 

Empates com Cabense e Salgueiro.

 

Teve ainda a vacilada com o Vera Cruz em 2010: 0x1.

 

Gol do Alcimar.

 

Pode?

 

E o empate em 1x1 contra esta mesma Araripina em 2011.

 

Comemorado como grande resultado no sertão.

 

Ou seja.

 

Em onze campeonatos do século XXI.

 

Esta é a segunda melhor campanha alvirrubra até agora.

 

Campanha que pode ficar ainda melhor.

 

Isso se o Clássico da Técnica e Disciplina não confirmar a velha sina.

 

O América adora botar água no chopp Timbu... 

 

 



Escrito por Roberto Vieira às 00h06
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


 
Meu perfil
BRASIL, Nordeste, Homem, Portuguese, English
Histórico
    Outros sites
      BLOG DO JUCA
      O BLOG DO ROBERTO NO FACEBOOK
      NAUTICONET
      MÍDIA SEM MÉDIA
      NO PÉ DA CONVERSA
      BLOG DO CLAUDEMIR GOMES
      NA BOCA DO GOL
      BLOG DO TORCEDOR
      UOL
      MARCELO TORRES
      BLOG DO HOULDINE
      BLOG DO PAULINHO
      BLOG DO MANUEL
      BLOG DE MAURÍLIO FERREIRA LIMA
      TWITTER DO BLOG DO ROBERTO
      PERNAMBUCO NA COPA
      VÍDEOS DO NÁUTICO
      SPORT DE BOTÃO
      BLOG DO FRANCISCO MIRANDA